O custo da (falta de) mobilidade urbana

texto extraído do Jornal Folha de São Paulo.

O morador da Grande São Paulo, inclusive aquele que usa o transporte público, já paga um pedágio urbano invisível de R$ 20 por dia

Uma das mais importantes razões dos protestos que mobilizaram a população é a morosidade dos deslocamentos urbanos na região metropolitana de São Paulo. Mas, afinal, qual é o custo dessa lentidão? Não é muito difícil fazer um cálculo aproximado.

De início, estima-se quanto tempo, em média, é perdido por causa dos congestionamentos. Esse é um tempo produtivo perdido, pois o trabalhador já saiu de sua residência, mas não começou a trabalhar. Algumas pesquisas indicam que, na região metropolitana de São Paulo, o tempo médio gasto na locomoção da residência ao emprego e retorno é superior a duas horas. Para muitas pessoas, chega ao absurdo de três horas ou mais.

Podemos aceitar como tempo normal, com muita boa vontade, uma hora diária. Assim, o tempo médio perdido com os congestionamentos em São Paulo é superior a uma hora por dia. Sendo a jornada de trabalho igual a oito horas, é fácil verificar que o tempo perdido é cerca de 12,5% da jornada de trabalho.

Para calcular o valor monetário desse tempo perdido, deve-se verificar o valor da produção da região. Estima-se que seja de 18,9% do PIB nacional. Sendo que este, em 2012, foi de R$ 4,4 trilhões, a produção na Grande São Paulo foi superior a R$ 800 bilhões. Desse total, cerca de 65% é devido ao fator trabalho, o que representa mais de R$ 500 bilhões. Assim, o valor monetário do tempo perdido é 12,5% desse valor, ou seja, R$ 62,5 bilhões por ano.

Esse é o custo social anual da lentidão do trânsito em São Paulo.

Também é possível calcular quanto cada trabalhador paga pelo tempo perdido. De acordo com o IBGE, em março de 2013, o rendimento médio mensal recebido na Grande São Paulo foi de R$ 1.995,90. A esse montante é preciso adicionar o valor dos encargos sociais.

Segundo o professor José Pastore, esses encargos somam 102,06%, de forma que podemos, conservadoramente, calcular em R$ 4.000 o valor mensal dos salários mais encargos em São Paulo. Isso se traduz em quase R$ 17 a hora trabalhada –R$ 4.000 divididos por 30 dias de oito horas.

Como o tempo perdido no trânsito é superior a uma hora, podemos afirmar que cada trabalhador paga pelo tempo perdido R$ 20 por dia.

Esse é o “pedágio invisível” já cobrado. Só que ele é tremendamente injusto, pois paga quem usa carro particular viajando sozinho e paga quem anda espremido em um transporte público. E é um dinheiro/custo perdido para a sociedade.

Se conseguirmos reduzir a quantidade de veículos em circulação, os congestionamentos diminuiriam.

Algumas iniciativas, como o rodízio, os corredores para ônibus, a proibição de circulação de automóveis ou caminhões em determinadas áreas ou horários, procuram reduzir a circulação de veículos. Mas tais soluções são parciais, insuficientes e ineficientes.

A solução abrangente é cobrar um pedágio urbano pelo uso de vias públicas congestionadas para reduzir a circulação de veículos. Ao mesmo tempo, utilizar recursos arrecadados para investimentos no transporte público, especialmente o metrô.

Um efeito fundamental dessa medida seria a maior fluidez do trânsito. Os ônibus passariam a circular com maior velocidade. Isso representaria substancial redução no seu custo de operação e, assim, viabilizaria expressiva redução no valor das passagens.

Toda mudança envolve custos e coragem. Os custos são mais do que compensados pelos benefícios da eliminação dos congestionamentos. E a coragem que os manifestantes mostraram é a que pedimos para os nossos governantes.

 

ANDRÉ FRANCO MONTORO FILHO, 69, doutor em economia pela Universidade Yale (EUA), é professor titular de economia do setor público da USP. Foi secretário estadual de Economia e Planejamento de SP (1995-2002) e presidente do BNDES (1985-1988)
 
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s